O Rei e O Cadáver – 7º ATO – Cena 10 PC – FINAL

Narrador: Profundamente curioso e apreensivo, o Rei prosseguiu sua caminhada. Após o longo e sinistro percurso feito dentro do cemitério, (abre-se as cortinas), o Rei chega ao local onde o falso Asceta se encontra, já com todos os preparativos do ritual.

Rei: (Colocando o Cadáver no centro do círculo). Aqui está o Cadáver, venerável Asceta.

Feiticeiro: Mmm. Então sua majestade conseguiu finalizar a tarefa.

Rei: E por algum momento você duvidou das minhas capacidades?

Feiticeiro: (Se aproximando do cadáver e arrumando-o). De modo algum, senhor, mas pelo tempo que demoraste, creio que deve ter sido uma tarefa árdua.

Rei: Concordo que foi, mas esse assunto não é interessante para o momento. (Mudando o rumo da conversa, enquanto observa o Feiticeiro colocar o Cadáver no centro do círculo mágico). Vamos direto ao que devemos fazer agora.

Feiticeiro: Nesse momento, Rei, peço apenas que fique de pé naquele local. (Aponta para um círculo menor, dentro do círculo maior).

Rei: Por que eu devo ficar lá?

Feiticeiro: Pois você será o beneficiado pelo ritual, não eu. Estou aqui apenas para lhe servir. Assim que eu invocar a divindade que tomará conta desse cadáver, é você que terá de fazer o pedido.

Rei: Agora está melhor. Gosto de ter respostas as minhas perguntas. (Diz enquanto se posiciona no local indicado pelo Feiticeiro).

Feiticeiro: Imagino que sim, majestade. (O Feiticeiro toma seu lugar no ritual, próximo ao Rei, recita os cânticos mágicos e o Cadáver levanta-se). Agora, Rei, você deve se prostrar diante da divindade, tocando sua cabeça no chão.

Rei: (Percebendo que é a hora prevista pelo Cadáver). Venerável Asceta, não tenho prática em prostrações. Não sei exatamente como fazer, por favor, me demonstre, para que eu possa fazer corretamente.

Feiticeiro: (Sem perceber a artimanha do Rei). Como quiser, majestade. (E ele se prostra).

Rei: (Quando o Feiticeiro toca sua cabeça no chão, o Rei saca sua espada e tenta cravar nas costas do Feiticeiro, na altura do coração, mas esse percebe a movimentação estranha e se esquiva, levantando-se). Vilão! Você não concluirá seu plano!

Feiticeiro: Então você percebeu? Ahahhaha! Não há mais volta, majestade. Ou você se oferece como sacrifício, ou sua filha morrerá!

Rei: (Atacando o feiticeiro novamente, que se esquiva). Eu irei matá-lo e desfarei sua maldição!

Feiticeiro: (Ironicamente). Uuuu… Calma, majestade. Para que tanta violência? É bom que você saiba que estão tentando te enganar. Se você me matar, a maldição não será desfeita! Hahahahahh!

Rei: É o que veremos! (Ele ataca novamente o Feiticeiro e o corta de raspão. O Feiticeiro se enfurece a ataca o pescoço do Rei, mas esse se esquiva e crava sua espada no feiticeiro).

Cadáver: (Jubilosamente). HAHHAHAHAH! Você salvou bem mais do que sua filha hoje, majestade!

Rei: O que você está dizendo, espectro?

Cadáver: O necromante pretendia ter o poder absoluto sobre as almas, carniçais e sobre todas as outras presenças espirituais do domínio sobrenatural. Esse poder agora será seu, ó Rei, quando sua vida terrena terminar. Por enquanto, você será recompensado por sua virtuosa ação. O que deseja? Diga, e o seu desejo será atendido!

Rei: No momento apenas quero que minha filha, aquela que amo mais do que à minha própria vida, se livre de sua maldição.

Cadáver: Assim será! Hahahhaha!

(A luz diminui).

Narrador: A maldição que haviam imposto a filha do Rei foi desfeita. O Rei retornou ao seu castelo e encontrou sua filha forte e saudável novamente.

(A luz aumenta. O Rei está perto do trono com o Tesoureiro feliz ao lado. Sua filha entra na sala).

Princesa: Pai!!

Rei: Filha!!

(Eles se abraçam com muita felicidade).

Narrador: Essa maravilhosa e sinistra aventura chega ao fim. Todos os deuses se alegraram com a façanha do Rei e o próprio Shiva, pediu para que ele contasse a história para o Tesoureiro e para a Princesa. (A luz diminui). O Tesoureiro e a Princesa contaram para seus amigos. Os amigos desses, para seus amigos, e de boca em boca, essa história chegou aos dias de hoje, passada de geração a geração. Dizem que aonde essa história é narrada os deuses enviam suas bênçãos e todos os espectros e demônios perdem seus poderes. Quem a recitar com devoção sincera ficará livre de todo sofrimento.

Anúncios
  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: