Posts Tagged ‘ Brum ’

Outcasts – Livro 1: Párias – Capítulo 12 (parte 4)

            – Então vamos ver quem é a mais poderosa? – Sol’al escuta o que parece ser o final da discussão entre as duas clérigas, vindo em baixo drow da boca da Dyrr.

            Desde que a clériga Xorlarrin chamou a atenção de Alak, as duas clérigas estão discutindo firmemente. Sol’al, do início da discussão até o momento, está apenas observando o embate, sem tomar partido. “Vamos ver quem demonstra mais poder”, observa o mago enquanto reflete qual seria o melhor curso de ação a realizar. Com certeza em sua mente não se passa nenhuma idéia de entrar em confronto com qualquer clériga de Lolth, mas, mesmo assim, ele precisa ser capaz de escolher qual seria mais vantajosa de ter como aliada.

            – Nossa deusa está em silêncio, você sabe disso. – responde a clériga Xorlarrin, obviamente tentando contornar a situação.

            Sol’al sente uma ponta de decepção se misturar com o resto de ansiedade – que ele estava sentindo por ter passado pelo ninho abandonado – ao ver uma atitude medíocre de sua Senhora Xorlarrin.

            – E o que isso importa? Nossa deusa prega a busca por poder, não? Nosso objetivo não é cada vez ser mais poderosas? – inquire a clériga Dyrr, com um olhar ameaçador – Tamanha dependência de suas magias mostra apenas sua fraqueza.

            Sol’al se espanta com o imenso pragmatismo vindo da clériga e sente que seu coração concordou com cada palavra dela e, pelo que ele observa, a Xorlarrin também concordou. Vendo a Dyrr segurar sua maça com a mão direita, Sol’al percebe a Xorlarrin tremendo diante de uma oponente mais forte.

            Por mais que a aparência da Xorlarrin seja mais bela e sedutora, a Dyrr é mais ameaçadora e imponente. O semblante de liderança é facilmente perceptível nessa clériga.

            Sol’al observa a situação esperando uma reação da Xorlarrin, que não surge. Ele olha ao redor para tentar ver o que se passa no semblante de cada um que lá se encontra. Rizzen está apreensivo. “Ele sabe que se sua clériga desistir, será vergonhoso para sua Casa”, conclui mentalmente Sol’al. Alak já percebeu a superioridade da outra clériga e demonstra não estar ligando muito para o embate. O mercenário parece saber que não ocorrerá confronto físico, pois se tivesse alguma chance de ocorrer tal confronto, ele teria que estar preparado para proteger a Xorlarrin. “A não ser que ele quebre seu contrato de proteção. Ou que tenha sido a própria Dyrr que o tenha contratado”, reflete o mago.

            Os inferiores ele nem se preocupa em analisar, mas percebe que todos estão de olho no confronto, menos o goblin musculoso que está na boca do túnel, observando a caverna de onde vem o batuque dos tambores. “O que será que tem naquela caverna?”, se pergunta Sol’al quando sua atenção volta ao embate das servas de Lolth graças a uma forte risada da clériga Dyrr.

            – Patética. – comenta ela, balançando negativamente a cabeça.

            “Arrogante demais para uma líder de um culto herege”, se decepciona Sol’al.

            – Façam o que ela pedir. – diz a clériga Dyrr aos seus companheiros em subterrâneo comum.

            – Como? – o gnoll pergunta – Desculpe, Senhora, mas não entendi o porquê.

            Sol’al olha para a Dyrr, também estupefato.

            – Um confronto com eles seria inútil. Deixe que eles sigam essa tola. – responde ela em goblinóide para o gnoll.

            O mago compreende e resolve esperar para ver. Provavelmente a Xorlarrin irá querer algum tipo de punição para esse grupo e a morte da clériga. Ou talvez não, apenas a morte dos inferiores e a humilhação da herege. “Acho que nem mesmo a Casa Agrach Dyrr se importaria com isso”, comenta Sol’al mentalmente com um sorriso no rosto.

            – Mago, chame o ogro. – ordena a clériga a Sol’al, sem tirar o olho da Dyrr e ainda tremendo – Rápido!

            Sem entender, o mago Teken’Th’Tlar sai correndo em direção a abertura do túnel pelo qual entraram. No caminho, a ordem passa a fazer sentido. “Antes de tentar algo contra o grupo herege, ela parece querer se sentir mais segura. Afinal, o ogro também foi contratado para protegê-la”, raciocina Sol’al, se decepcionando ainda mais com a fraqueza da Xorlarrin. “Se Lolth estivesse ativa…”. Várias possibilidades passam pela mente de Sol’al, e nenhuma muito agradável para a clériga mais fraca.

            – Mercenário! Você está sendo convocado. – grita o mago para Brum, que logo começa a escalar.

            – Virou garoto de recados, maguinho? – pergunta Brum sarcasticamente.

            Ignorando o ogro e sem perder tempo, Sol’al parte de volta para ver se algo está ocorrendo. Ao chegar ele vê a mesma cena, como se nada tivesse mudado. Apenas o goblin musculoso se juntou à roda.

            – Então? O que você vai querer de nós? – pergunta a Dyrr, quebrando o que parecia ser um longo silêncio.

            – Larguem suas armas. – responde a Xorlarrin, ainda com as mãos fraquejando.

            “Até que sua voz está conseguindo esconder o medo e a raiva”, comenta consigo mesmo Sol’al.

            – Façam isso. – ordena a clériga Dyrr aos seus fiéis, com um sorriso no rosto.

            O goblin robusto olha com desconfiança para a clériga de seu culto, mas um olhar confidente por parte dela acaba fazendo com que ele coloque seus machados e sua zarabatana ao chão. A própria clériga Dyrr coloca sua morningstar e seu escudo junto aos machados do goblin e o gnoll deita sua halbert próximo ao monte. Ele espera que a kobold tire algo do seu robe, mas ela nada faz. O mago até pensa em pedir para que a Xorlarrin ordene que a pequena reptiliana jogue fora todos seus componentes mágicos – sim, é perceptível que ela é uma maga ou feiticeira -, mas prefere deixar o culto herege com uma pequena vantagem. Sua lealdade ainda não está tão clara em sua mente, afinal a Dyrr ainda é mais forte que a Xorlarrin, e mais confiante também.

            De trás, o mago escuta os passos ruidosos de Brum. Antes mesmo que esse chegue junto ao grupo a Xorlarrin grita em subterrâneo comum:

            – Ogro, pegue essas armas e cuide delas!

            Sol’al sente a surpresa abrir involuntariamente sua boca. Além de a clériga ter falado diretamente com o inferior, ela ainda utilizou uma língua baixa. “Ela não está com medo, ela está desesperada”, pensa Sol’al. O próprio Brum é pego de surpresa com a ordem e perde alguns segundos raciocinando se o que ele escutou é real.

            Logo que a surpresa passa, Brum vai até o monte de armas e as coloca no grande escudo utilizado pela Dyrr, como em uma bandeja. Porém, ao tentar levantar o escudo, Brum nem mesmo consegue movê-lo, como se tivesse grudado no chão. Sol’al vê a cena e percebe instantaneamente que o escudo é mágico e que a clériga Dyrr já esperava por uma cena semelhante.

            Sem perder tempo, o mago conjura uma magia para detectar objetos mágicos e percebe que não só o escudo o é, mas também os dois machados do goblin e a morningstar da clériga, além da armadura que ela está usando e alguns outros itens que estão em posse dos hereges e dos Xorlarrin. Por curiosidade, Sol’al olha para os mercenários também e reconhece a aura mágica apenas nas espadas de Alak, pois Brum não tem nada mágico com ele.

            “As espadas de Alak… Parecem…”, algo nelas atiça a curiosidade do mago enquanto a conversa ao seu redor prossegue.

            – Deixe o escudo no chão. Pegue as armas. – ordena a Xorlarrin ainda em subterrâneo comum.

            A nova ordem da clériga dispersa a atenção que Sol’al estava colocando sobre a espada de Alak, que ao perceber os olhos do mago em sua direção, escondeu melhor suas duas amigas.

            – Sim, Senhora. – responde Brum, pegando todas as armas no colo e deixando o escudo no chão.

            – Ogro! Qual é seu nome? – pergunta a clériga Dyrr a Brum, fazendo com que Sol’al se espante com a delicadeza da pergunta.

            – Brum. – responde Brum, também espantado.

            – Não fale com ela! – grita a Xorlarrin.

            – Não precisa responder para mim, Brum. Só tenha cuidado com a minha morningstar, pois ela pode te machucar se tocá-la diretamente. – avisa a clériga.

            O olhar da Xorlarrin se enche de ódio pela falta de respeito da Dyrr.

            – Mercenário, cuide deles. – ordena a Xorlarrin a Alak, voltando a conversar em baixo-drow – Diga ao inferior para se afastar da inferior.

            – Sim, Senhora. – responde Alak, enquanto a sua protegida se afasta para a boca do túnel junto com Rizzen. Sol’al os acompanha.

            – Avise-os para não chegar tão próximo da beirada, pois eles podem ser vistos. – Sol’al escuta a Dyrr falar com Alak.

            – Senhora…

            – Não repita o que ela disse. – a Xorlarrin ameaça o mercenário, mas mesmo assim mantém uma certa distância da beirada da boca do túnel.

            Rizzen e ela já estão observando o acampamento quando Sol’al se junta a eles. Ele olha para a grande caverna e vê vários acampamentos. Vários orcs tocando tambores em homenagem a algo. Um draegloth parecendo estar comandando os inferiores. Achando estranho a presença de um draegloth naquele local, o mago se concentra nele e tenta encontrar alguma insígnia ou sinal que denuncie sua Casa. Sol’al não se surpreende quando vê a insígnia dos Xorlarrin segurando a tanga de pele que o meio-abissal usa.

            Com um sorriso de satisfação por ter descoberto parcialmente o que está ocorrendo, Sol’al começa a observar os outros acampamentos. Ele vê orogs, humanos, hobgoblins, goblins, vários de raças inferiores, escravos e livres. O símbolo no centro do acampamento desperta em muito a curiosidade do mago a respeito do que eles estão fazendo naquela caverna, mas quando ele está prestes a se concentrar para decorar os símbolos que estão sendo utilizados, o canto de seu olho prega uma peça.

            “Um drider?”, se pergunta ao ver um vulto passando no acampamento ao lado direito do símbolo. Ele vira-se para ver se é o tal drider aranha espectral que se encontra lá, mas logo ao se virar um estranhamento toma conta de sua mente. Ele vê vários drows tatuados com algo que parecem runas de cor branca, utilizando armaduras que se assemelham a exoesqueletos. Para seu maior assombro, seus olhos se deparam com o drider do qual ele havia visto o vulto. Não é o drider aranha espectral, mas sim um amálgama de drow e escorpião.

            “Por Lolth! O que será isso?”, se pergunta Sol’al, boquiaberto.

Outcasts – Livro 1: Párias – Capítulo 12 (Parte 2)

            O túnel possui alguns poucos vestígios da passagem de aranhas grandes o suficiente para devorarem um drow sem problemas. Não que isso surpreenda de alguma forma Sol’al e a clériga Xorlarrin que o acompanha, afinal, quem estaria mais acostumado com esses aracnídeos que um estudioso que se encaminha para se tornar um aracnomante e uma clériga de Lolth, a Rainha das Aranhas? Porém, os vestígios são antigos. “Ao que parece, os aracnídeos ou o aracnídeo deixou esse lugar faz um tempo”, conclui Sol’al, olhando para algumas poucas teias que se encontram no chão do túnel e evitando, tal como a clériga, tocá-las.

            Ao dividir o grupo, a clériga Xorlarrin decidiu que o mercenário Alak fosse seguir o grupo herege e o ogro mago ficasse na imensa caverna até ser chamado, enquanto ela, Rizzen e Sol’al iam pelo outro túnel; no qual Sol’al e a Xorlarrin se encontram no momento. Quando Alak já não se encontrava mais na presença deles, ela ordenou que o assassino Xorlarrin o seguisse. Portanto, Sol’al e a clériga estão sozinhos, algo que o mago Teken’Th’Tlar considerou um tanto esperado, considerando uma das últimas conversas que ele teve com ela. Apenas não sabe ainda se a situação é preocupante ou não.

            – Sei que você está conosco por causa de Mestre Orghz Q’Xorlarrin, que pediu auxílio a sua Casa. – Sol’al se surpreende ao escutar a Xorlarrin falar abertamente sobre a situação, mesmo que o tom de voz dela seja um tanto ácido.

            O mago para de analisar as teias e olha para os pés da clériga, como habitualmente.

            – Sim, senhora. – concorda brevemente, imaginando se esse será o momento em que ele descobrirá as verdadeiras intenções da Casa Maior.

            – Não imaginei que você viesse a ser útil. Acreditava que seria apenas um empecilho, mas os últimos fatos têm me provado o contrário. – a clériga continua, virando as costas para ele, e volta a caminhar pelo túnel.

            Sol’al reinicia sua caminhada sempre atrás dela.

            – Entretanto, gostaria que você realizasse um serviço para mim. De forma alguma confio nos dois mercenários e tenho meus motivos para isso. – Sol’al lembra da carta enquanto a Xorlarrin prossegue seu discurso – O que você seria capaz de fazer para eliminar o ogro mago?

            A clériga para e vira-se em direção ao mago. Esse prossegue olhando para os pés da clériga, em sinal respeito.

            Na mente de Sol’al passam-se vários feitiços, porém cada vez que um surge, ele relembra da relação Brum e armadilhas. Por um tempo ele fica em silêncio, imaginando o que poderia ser feito, mas nenhuma idéia surge em sua mente: o ogro mago é extremamente resistente.

            – Senhora, eu não saberia como pará-lo. Acredito que seja mais fácil parar Alak, e vocês darem cabo no ogro. – diz ele com tristeza em sua voz, por não ser capaz de satisfazer uma clériga de Lolth.

            Sol’al escuta a respiração da Xorlarrin se alterar. “Ela se decepcionou”, pensa ele. Definitivamente a respiração dela demonstra que a raiva está surgindo, mas sendo contida.

            – Imaginei. – diz rispidamente.

            Sol’al tenta pensar em alguma forma de contornar a situação. Ele começa a observar o túnel, “Talvez alguma descoberta que auxilie a busca dos Xorlarrin possa fazer com que eu não perca a confiança dela”. Porém, fora as teias velhas, nada mais parece chamar a atenção naquele túnel.

            – Talvez conseguíssemos colocar os dois mercenários em confronto com o outro grupo. Digo, o grupo de hereges. – diz o mago Teken’Th’Tlar, enquanto continua a analisar o túnel.

            A Xorlarrin vira suas costas novamente para o mago e continua sua caminhada enquanto responde:

            – Estúpido. Não daria certo.

            Sol’al não compreende o comentário da clériga e muito o menos o porquê ela descartou tão rapidamente sua idéia, mesmo considerando que ela realmente não tenha sido das melhores. O mago coloca a culpa na raiva do momento e ignora o comentário, pois entre aquelas teias ele começa a reconhecer um padrão. Percebendo que todas se assemelhavam a alarmes, Sol’al começa a entender algo do que se passou naquele túnel. Ele observa atentamente as teias de perto e vê que seu tecido e a forma com que foi trançada pelas fiandeiras da aranha, se assemelha a teia de uma aranha espectral. Uma espécie de aranha que possui um corpo marrom avermelhado e translúcido – motivo pelo qual recebe esse nome – , e é capaz de injetar em sua vítima um veneno que dissolve os orgãos internos do alvo, tornando-o um saco de comida apetitoso. Sol’al traz todas essas características em sua mente e prossegue a análise: suas teias costumam ser caóticas, como o da maioria das aranhas venenosas. Uma única aranha espectral seria capaz de matar um humanóide médio – se picasse no local certo, pois o veneno não atinge uma área tão imensa. O efeito externo é semelhante o da picada da aranha marrom: a região envenenada necrosa, porém a área afetada é bem maior no caso da aranha espectral. O mago sorri, pois é estranho ver vestígios de aranhas espectrais nesse nível do Underdark, já que elas são encontradas apenas no Lowerdark.

            Enquanto analisa as teias, a clériga para e olha em direção ao mago, apenas para ver o sorriso bobo do estudioso tornar-se uma boca engruvinhada de medo e a pele do drow tornar-se pálida.

            – Mago? – a clériga pergunta, um tanto apreensiva.

            Sol’al olha nos olhos da clériga, esquecendo completamente a etiqueta. Não haveria nenhum problema se aquilo fosse a teia de uma aranha espectral, mas aranhas espectrais possuem um tamanho máximo equivalente ao polegar de um drow. Nunca uma ou várias aranhas espectrais seriam capazes de tecer uma teia daquela espessura.

            – Senhora, estamos próximos do ninho de um drider. – sussurra Sol’al.

            A Xorlarrin observa ao seu redor se preparando com sua maça, esperando por qualquer coisa que possa ocorrer, até que ela relembra:

            – Essas teias estão aqui faz tempo, mago. Provavelmente não há mais nenhum drider aqui.

            – Ou talvez essa seja sua forma de agir… – complementa Sol’al, sentindo toda palpitação de ansiedade pela possibilidade de ver mais um drider.

            Todo seu medo de um drider que possua o corpo de uma aranha espectral foi substituído por uma grande excitação. “Um drider aranha espectral! Que arma perfeita! Que espécime magnífico deve ser”. Sua mente flutua entre pensamentos diversos sobre o mesmo tema. Tanto que ele até se esqueceu que estava conversando com a clériga Xorlarrin.

            – Mago? “Sua forma de agir…”? – pergunta a clériga, começando a se irritar novamente.

            – Er… Desculpe, Senhora. – responde rapidamente Sol’al, retomando o foco – Ele pode estar fingindo que abandonou seu território, para que criaturas que consigam encontrar seus vestígios não acreditem que ele se encontra no local até o momento oportuno para atacar sua vítima. Driders não são seres que atacam frente a frente. Eles preparam um ambiente propício para um ataque furtivo, matando a vítima, na maioria das vezes, antes que essa possa ter chances de reagir. Para criar esse ambiente, eles costumam desenvolver minuciosas estratégias que permitam distrair seus oponentes. Na maioria das vezes, um refúgio de um drider possui alarmes mágicos e físicos, além de armadilhas e algumas espécies de guardiões e/ou vigias.

            O mago para e olha o espaço como se ponderasse:

            – Provavelmente, se o drider ainda se encontra nesse seu ninho, ele possui a intenção de nos fazer acreditar que esse local está vazio, para que abaixemos nossa guarda e nos distraiamos ao nos considerarmos seguros.

            – Mago. – diz a clériga estupefata, chamando a atenção de Sol’al – Se houvesse um drider aqui, ele já haveria nos matado enquanto você discursava.

            Sol’al se sente estúpido por ter deixado sua excitação tomar conta na frente da Xorlarrin, mas logo retoma como se não houvesse dito nada anteriormente.

            – Precisamos checar se não há nada morando nesse ninho, Senhora. – sugere, de cabeça baixa, o mago Teken’Th’Tlar.

            – Faça isso. – concorda a clériga, sem irritação nenhuma na voz.

            “Pelo menos meu discurso serviu para acalmá-la”, se justifica Sol’al mentalmente. Sem que a Xorlarrin perceba, Sol’al tira um pequeno lagarto de dentro de sua piwafwi, que é usada como um manto.

            – Vá e descubra se há alguma criatura nesse ninho. Tome cuidado. – sussurra o mago Teken’Th’Tlar ao seu diminuto familiar e o deixa caminhar rapidamente pelo chão.

            Sol’al senta-se em posição de meditação e finge estar entrando em algum tipo de transe. A clériga Xorlarrin continua procurando algum vestígio de driders, preparada para qualquer eventualidade. Sol’al sente que seu familiar está calmo e, mesmo após algum tempo de procura, em nenhum momento sentiu medo ou qualquer outra emoção preocupante. Aliviado Sol’al se levanta e dirige-se à clériga:

            – Está vazio. Nada ameaçador, minha Senhora.

            – Ótimo. – responde a clériga – Então vamos parar de perder tempo.

            – Sim, Senhora. – reponde o mago caminhando ao lado da clériga, enquanto seu familiar retorna para baixo de sua piwafwi subindo por sua perna. “Grato, meu servo”, agradece Sol’al.

Outcasts – Livro 1: Párias – Capítulo 11 (parte 4)

            Fora um tanto difícil e demorado para o eremita Alak conseguir encontrar um local razoavelmente seguro para que seu grupo pudesse descansar. A maior parte daquele lugar foi criado artificialmente por algum povo ou criaturas. A maioria de seus túneis parecem ter sido cavados, alterados magicamente e até mesmo derretidos por alguma espécie de ácido poderoso ou outro tipo de componente que fosse capaz de derreter rocha. Até mesmo a cachoeira que cai em um lago é totalmente artificial aos olhos do eremita, “Provavelmente há túneis e lençóis subterrâneos que permitem a água se deslocar sem que transborde o lago”, refletiu por um momento Alak enquanto observava a imensa caverna.

            O eremita observa os membros de seu grupo descansando enquanto olha para a boca do túnel, tentando encontrar a caverna onde podem estar os escravos seguidores de Lolth. Seu tempo de vigília está acabando, logo ele despertará Rizzen de seu Reviere e descansará em seu lugar. Alak sempre sorri pelo fato de ter descoberto o nome do guerreiro Xorlarrin, afinal, o anonimato não é mais uma das vantagens do assassino.

            Mesmo que o túnel no qual eles estejam descansando não seja realmente seguro, Alak não se sente preocupado. Segurança não é um sentimento comum para os drows e, além do mais, os drows, como os outros elfos, não precisam descansar tanto quanto os humanos, gnolls, kobolds, orcs entre outras raças inferiores. Na verdade é necessário ficar em Reviere metade do tempo que essas outras raças passam dormindo para que os drows estejam já prontos para prosseguir suas viagens e seus afazeres.

            Alak dá mais uma olhada para fora do túnel e não vê nada de estranho ou inquietante. A criatura do lago continua hibernando ou talvez tenha ido embora por algum dos túneis ainda mais subterrâneos. E quanto aos orcs, nenhum sinal de mais atiradores ou coisas do gênero. “Talvez estejam preparando uma emboscada”, pensa Alak levantando-se de sua posição para se aproximar de Rizzen.

            Com um toque leve em seu ombro, Alak desperta o guerreiro Xorlarrin, que não demonstra nenhum espanto. “Sono leve”, conclui Alak.

            – Seu turno. – diz o eremita ao Xorlarrin.

            Rizzen levanta-se de sua posição e se aproxima mais da boca do túnel. Alak prefere ficar um pouco distante do grupo e mais próximo do assassino, para evitar qualquer possível tentativa de ataque durante o sono de Brum que, mesmo com seus roncos e seu sono pesado, assim que é acordado não demora nenhum momento para se preparar para qualquer conflito.

            Alak começa a se acomodar em uma posição para entrar em seu estado meditativo enquanto Rizzen faz uma observação geral da caverna fora do túnel.

            – Acha mesmo que eu seria tolo de tentar matar seu “amigo” com algum ataque furtivo ou envenenamento? – pergunta Rizzen sem se virar em direção a Alak, que o encara por um tempo antes de responder.

            – Tendo em conta quem é sua Senhora, acho até provável que tente alguma estupidez sim. – responde o eremita, sem demonstrar nenhuma surpresa pela pergunta do guerreiro.

            O sorriso habitual do Xorlarrin toma conta de seu rosto quando esse se vira para olhar nos olhos de Alak, passando a mesma sensação de ironia e astúcia que sempre passara.

            – Mesmo assim reconheço as capacidades de seu colega e sei ainda mais o quanto ele é resistente, não cometeria tal estupidez, mesmo tendo que ir contra minha Senhora. – comenta Rizzen, sem deixar o sorriso se desfazer.

            Alak continua olhando para o assassino enquanto esse volta a observar o lado de fora do túnel como se refletisse sobre algo.

            – Vocês não sabem mesmo o porquê estão aqui, não é? – pergunta de repente o Xorlarrin voltando a olhar para ele – Digo, vocês não leram a carta.

            O eremita balança a cabeça negativamente como se aquilo realmente não importasse.

            – O contrato de vocês foi mesmo para proteger minha Senhora? – pergunta Rizzen.

            Alak percebe que a cada pergunta o guerreiro está analisando suas atitudes e feições, além de seu tom de voz e respiração. Tendo isso em mente Alak prefere não mentir e sim responder de forma breve e sem detalhes:

            – Sim.

            – Desejo boa sorte a vocês. – diz o Xorlarrin, com ironia em sua voz.

            – Gostaria de saber qual o objetivo real de vocês nessa missão, se possível. – questiona Alak, que escuta apenas uma breve resposta de Rizzen.

            – Você saberá. Logo logo não terá como esconder.

            O guerreiro sorri novamente e prepara-se para se virar em direção a caverna quando é surpreendido, – assim como Alak -, com a lâmina de uma adaga em seu pescoço.

            – O que fazem aqui? – pergunta uma voz grossa e quase sussurrante de trás do Xorlarrin, que fica paralisado pensando em uma forma de sair daquela situação.

            Alak consegue observar levemente o ser que se encontra empunhando a adaga na garganta do assassino: um goblin com a orelha um pouco mais comprida e pontuda, com rosto de traços mais finos, aparentemente o mesmo que estava com a clériga de Lolth. “Um dos hereges”, pensa ele.

            – Pe’gunta’ei de novo: O que fazem aqui? – nesse momento Alak percebe que o goblin não está falando com Rizzen e sim com ele.

            Sabendo que o goblin faz parte do culto a Lolth e que esse mesmo grupo possui também inimigos entre os orcs, Alak resolve ser mais diplomático. Não que a vida de Rizzen importe alguma coisa a ele, afinal seu contrato diz que ele deve proteger a clériga, não os Xorlarrin. Portanto se algo ocorrer com o guerreiro não o afetará em nada, mas ainda assim, talvez ter o grupo de hereges como possíveis futuros aliados seja mais interessante dado as recentes informações passadas pelo assassino durante a conversa.

            – Estamos fazendo uma investigação. – responde o eremita, ignorando o olhar reprovador do Xorlarrin.

            – Vi que nos espionou algum tempo at’ás. Po’ acaso não esta’iam at’ás de nós, não é? – pergunta o goblin, como que por inocência.

            Alak ergue uma de suas sobrancelhas, desconfiando da pseudo-ingenuidade do goblin. “Se ele foi um escravo drow, não há porquê acreditar que um drow responderia suas perguntas com sinceridade”, pensa o eremita, olhando profundamente nos olhos do goblin. Por um momento uma sensação estranha tomou conta de Alak. Havia algo não muito certo nos olhos daquele goblin, mas ele preferiu ignorar a sensação e analisar o olhar. Um olhar sagaz, astuto e inteligente. “Com certeza ele não está esperando uma resposta verídica”, conclui o eremita.

            – A princípio sim, mas coisas mais interessantes chamaram nossa atenção. – responde Alak com sinceridade, afinal não seria interessante para ele demonstrar que blefe não é seu forte.

            Rizzen parece estar mais preocupado em se preparar para sair daquela situação, por isso passa a ignorar a conversa que Alak está tendo com seu “inimigo”.

            – Ótimo. – comenta o goblin, secamente – Qual o seu nome d’ow?

            – Alak, e o seu?

            – Stongest. Nos encontraremos mais tarde. – diz o goblin largando o Xorlarrin e sumindo aos olhos do eremita.

            Rizzen não perde tempo e saca sua espada curta virando-se rápida, porém inutilmente, para atingir seu “captor”.

            – Ele já foi. – diz Alak, percebendo o ódio crescer no Xorlarrin que vira-se para ele.

            – “Amigo” seu? – pergunta Rizzen em voz relativamente alta mirando um olhar inquisidor ao eremita.

            Alak sorri e escuta Brum se mexendo e falando com voz sonolenta:

            – Tá tudo bem, Alak? – Rizzen fica um pouco apreensivo por ver que o ogro mago está acordando.

            – Está sim, Brum. Volte a dormir. – responde Alak, ainda sorrindo, para o guerreiro Xorlarrin.

            – Eu não durmo… eu entro em um estado meditativo… como os elfos. – responde Brum com voz sonolenta e começando a roncar logo em seguida.

            Rizzen guarda sua espada curta e volta a olhar para Alak.

            – Respondendo sua pergunta: isso não é da sua conta. – responde Alak, voltando a se posicionar para entrar em Reviere – Agora deixe-me descansar.

            Rizzen o encara por mais um tempo, mas logo deixa nascer novamente seu sorriso sarcástico no rosto e vira-se para a boca do túnel. Alak fecha os olhos e se prepara para entrar em Reviere. “Stongest”, repete em sua mente, “Talvez seu grupo nos ajude a sobreviver ao que nos aguarda. A emboscada Xorlarrin”.

%d blogueiros gostam disto: