Posts Tagged ‘ filho de Lolth ’

Outcasts – Livro 1: Párias – Capítulo 12 (Parte 1)

            A boca do túnel possui alguns poucos vestígios de teias proporcionais às feitas por grandes aranhas. Olhando rapidamente, Sabal não reconhece de pronto qual tipo de aranha teceu aquelas teias, mas sabe que já faz um tempo considerável pela quantidade de poeira e danos. “Aparentemente não é nenhuma armadilha”, pensa a clériga ainda analisando o local.

            Foi bastante trabalhoso para o grupo de Sabal alcançar o túnel no qual se encontram. Stongest teve que auxiliá-la e a Mirka, pois a distância era considerável, além de o trajeto ser perigoso. Esse foi um dos túneis em que não havia orcs, mas logo ao lado desse – a uns cinco metros de distância – são visíveis os corpos de dois orcs queimados. A distância de onde se encontram e do túnel ao qual se encontravam é de aproximadamente vinte metros, supoz Sabal no momento em que partiram para a escalada. Além do fator distância, havia também o fator altura, que dificultou muito. Os túneis da imensa caverna não eram simétricos, suas alturas eram variadas e para alcançar esse túnel eles tiveram que descer ao mesmo tempo em que se deslocavam de lado pela parede. Por mais difícil que tenha sido, todos eles – Mirka, Gromsh, Stongest e a própria Sabal com sua armadura completa – alcançaram o local desejado.

            “Se forem teias do filho da Do’Urden, seria interessante que descobríssemos qual tipo de aranha forma seu corpo”, reflete Sabal, enquanto observa o interior da caverna. As teias diminuem em quantidade, mas um ou outro vestígio é encontrado. Stongest está um pouco mais a frente, tentando encontrar marcas de alguma criatura que possa estar vivendo ou tenha passado por aquele túnel. Mirka está próxima a Sabal, apenas observando as paredes em busca de runas ou palavras de poder. Já Gromsh, está mais próximo da boca do túnel vigiando qualquer movimentação na imensa caverna.

            – Pelo que pa’ece os o’cs passam po’ aqui com uma ce’ta f’eqüência. – diz Stongest, quebrando o silêncio – Não sou um expe’t em p’ocu’a’ ‘ast’os, mesmo assim consegui encont’a’ alguns.

            Stongest aponta para algumas marcas que estão no chão próximo a eles. Sabal para de observar as teias e se aproxima do meio’goblin.

            – Talvez po’ isso, não há nenhuma a’madilha física po’ aqui. – comenta o pequeno robusto.

            – Então creio que precisamos acelerar nossos passos, ficarmos mais atentos e preparados para nos escondermos a qualquer momento. – diz Sabal, observando atentamente as marcas que, como seu próprio companheiro lhe disse, estão bem óbvias – Talvez estejamos próximos de algum acampamento dos orcs fugitivos de Menzoberranzan.

            – Além disso, há o out’o g’upo. Eles sabem que estamos p’oximos. Como te disse, conve’sei com eles um pouco antes de pa’timos de nosso túnel. – diz Stongest, chamando Gromsh e Mirka com um breve grunhido.

            Um pouco antes de Mirka acordar e após a breve conversa que Stongest teve com Sabal, a clériga sabia que o meio-goblin-meio-algo havia feito uma breve visita ao outro grupo e conversado com um tal de Alak; o mesmo que já os tinha bisbilhotado. Segundo pareceu, os Xorlarrin a princípio estavam atrás do “culto herege de Lolth”, mas haviam “alterado seus planos”. Stongest disse que o tal Alak não pareceu ser de uma Casa nobre e sim tinha um quê de mercenário, o que já era um ponto positivo para Sabal. Além disso, entre eles havia um ogro mago, que como eles já supunham antes, poderia ser um escravo ou um mercenário. Em qualquer uma das opções, era uma vantagem que Sabal poderia aproveitar. Portanto, Sabal não está tão preocupada com o outro grupo como Stongest aparenta estar, pois para ela os orcs são uma preocupação mais imediata.

            – De qualquer forma temos que partir. Mirka, o túnel está seguro magicamente? – pergunta Sabal para a pequena kobold, que já está ao seu lado.

            – Não encontrei nenhuma runa ou inscrição, Senhora. Creio que o local esteja seguro. – responde a kobold confiante, porém Sabal percebe um leve ar de preocupação em seu olhar.

            – Algum problema, Mirka? – pergunta a clériga brandamente, enquanto Stongest e Gromsh começam a caminhar pelo túnel.

            Mirka fica em silêncio por um tempo olhando para o rosto da clériga, que faz sinal para que as duas comecem a caminhar.

            – Suspeitas, minha Senhora. – responde timidamente a kobold, enquanto caminha voltando seu olhar para o chão.

            – Que tipo de suspeitas?

            – Estou com uma sensação estranha. Preocupada com que tipo de criatura possa ter feito esses túneis. – responde Mirka, demonstrando receio em sua voz.

            – Alguma opinião a respeito, Mirka? – Sabal não esconde em nenhum momento sua curiosidade, pois sabe que Mirka deve ser levada a sério.

            – Pode ter sido aquilo que está no lago. Aquela sombra que vimos quando estávamos escalando para esse túnel. – responde Mirka, ponderando sobre suas palavras – Você percebeu como aquela caverna se assemelha a um ovo colossal?

            Sabal levanta uma de suas sobrancelhas e encara Mirka, que está com feições preocupadas. A kobold troca olhares com sua clériga enquanto caminham.

            Caminhando em silêncio, ambas refletem sobre aquilo. “Um ovo”, pensa Sabal. Gromsh prossegue na frente e Stongest diminui seus passos para ficar um pouco mais próximo das duas mulheres do grupo.

            “Conversem nessa linguagem, acho que estamos sendo espionados novamente”, diz o guardião na língua de grunhidos própria do culto.

            Nem Sabal nem Mirka fazem menção dele ter falado com elas e nem mesmo demonstram curiosidade em ver quem está seguindo-os. Mirka olha novamente para Sabal por uns instantes e volta a encarar a frente do caminho.

            “Um ovo colossal. Com uma gema e um imenso ‘filhote de dragão’ descansando em seu centro”, descreve Mirka toda sua impressão sobre o local. Sabal visualiza a caverna e realmente enxerga o mesmo ovo que Mirka descreveu e depois grunhe confirmando a suspeita da kobold. Sabal sente o desejo de prosseguir com a conversa, mas um novo aviso de Stongest sobre um espião a faz adiar a concretização de sua vontade.

            “Alak está aqui”, o rosnado do guardião é extremamente discreto, como um leve ronronar. Se eles não estivessem tão distantes da boca do túnel como estão, talvez a clériga não tivesse ouvido.

            Sabal discretamente respira fundo e pergunta levemente:

            – Então veio se juntar a nós?

            Nenhuma resposta é dada. Sabal sorri e, com o auxílio de um breve ronronar de Stontgest, dizendo onde o drow se encontra, ela mira um breve olhar no local e volta a dirigir sua atenção à sua frente.

            – Não seja tímido, Alak. Como Stongest já lhe disse: nós íamos nos encontrar novamente. – comenta Sabal, tranqüilamente.

            Uma voz sussurrante é escutada vindo de pelo menos quatro metros atrás deles.

            – Você sabe que não vim me juntar a vocês. – responde Alak, tentando não demonstrar frustração em sua voz por ter sido encontrado.

            – Sei, mas espero também que não tenha vindo tentar nos matar. – diz Sabal, mantendo tranqüilidade na voz.

            – Não, mesmo que me mandassem para isso.

            Um pequeno silêncio toma conta do local até Sabal retomar a conversa:

            – Por que está nos seguindo, então?

            – Porque foi isso que minha contratante me pediu. Tudo isso está muito confuso. Minha única curiosidade é saber o que está acontecendo nesse local. – responde Alak, surpreso consigo mesmo por estar tão falante na presença da clériga.

            Em nenhum momento o grupo para de se locomover. Sabal apenas sorri e olha discretamente mais uma vez na direção do mercenário.

            – Algo que os Xorlarrin temem. – blefa Sabal, tendo em mente apenas o que sabe a respeito das fugas dos orcs.

            – Mas o que seria? – pergunta Alak, mantendo o mesmo tom de voz desde o início da conversa.

            Sabal faz menção de iniciar a resposta, mas logo Stongest a interrompe com breves grunhidos avisando que mais um está seguindo o grupo. Outro drow. Sabal volta sua atenção para frente novamente apenas dizendo suavemente:

            – Acho que não confiam tanto em você. Parece que você tem companhia.

            Alak não responde, apenas olha para trás tentando encontrar alguém, mas não encontra nada. Suspeitando que seja o Xorlarrin, prefere ficar em silêncio, fingindo ainda não ter sido descoberto.

            A ex-clériga Dyrr continua tranqüila em seu caminho, pois sabe que o guardião dificilmente é pego de surpresa. Gromsh para mais a frente e, sabendo que estão sendo seguidos – por ter escutado os avisos de Stongest e parte da conversa de Sabal -, fala como se nada estivesse acontecendo, para não levantar suspeita sobre o conhecimento do grupo a respeito dos espiões.

            – Chegamo num ponto delicado, Senhora. – diz o gnoll, olhando na direção da clériga, que aperta um pouco o passo para ver sobre o que seu companheiro está falando.

            Chegando perto do gnoll, a clériga se depara com a boca de um túnel que acaba em uma pequena caverna, após um degrau causado por uma leve depressão. No chão dessa pequena caverna há um tapete de teia, enquanto no teto há alguns casúlos pendurados e nas paredes duas bocas de túneis: uma adiante e uma ao lado direito da caverna.

            – É. Acho que encontramos o ninho do filho de Lolth. – comenta a clériga.

            Stongest e Mirka se aproximam. Ambos começam a analisar o local, enquanto Sabal apenas observa e reflete. Gromsh aguça seus ouvidos, como se tivesse escutado algum som estranho.

            E quanto a Alak… Esse apenas se espanta e se pergunta: “Filho de Lolth?”.

Anúncios

Outcasts – Livro 1: Párias – Capítulo 11 (parte 1)

            – Você dorme muito pouco para um goblin. – comenta Sabal Dyrr ao guardião do culto herege do qual faz parte.

            – Não começa. – corta o robusto meio-goblin-meio-algo secamente, enquanto observa a boca do túnel na qual eles chegaram após ultrapassar tantas armadilhas.

            Ninguém do grupo de Sabal se feriu, graças a ação coordenada das habilidades de todos os membros. Graças a Mirka eles descobriram e utilizaram os colares que permitiam a passagem dos orcs pelas armadilhas mágicas sem acioná-las. Enquanto as armadilhas físicas eram desarmadas por Stongest, que se concentrou apenas nisso, Gromsh observava os rastros deixados pelos orcs, o que foi útil nas duas vezes em que os túneis se bifurcaram. Enquanto isso, Sabal decifrava as orações e ajudava Mirka a compreender como a magia “divina”, o que para Mirka soava mais como profana, auxiliava as magias arcanas naquela situação.

            Ao caminhar pelos túneis aos poucos eles foram descobrindo que havia algo bem maior envolvendo os orcs. “Quem é Shormongur?”, se perguntou várias vezes Sabal. Infelizmente Mirka não estudou em Sorcere, portanto seu conhecimento sobre demônios e diabos era precário. Ela é a melhor maga Kobold que Sabal já conheceu, mas seus conhecimentos se limitavam a dragões, draconianos e humanos. Mesmo sem auxílio, Sabal tinha conhecimento sobre algumas poucas coisas, mas o máximo que ela conseguiu descobrir através do símbolo que sintetiza o nome do demônio, foi que Shormongur é um Glabrezu.

            Foi necessário um estudo analítico a respeito do símbolo que custou a eles um tempo razoável. “Mas pelo menos conseguimos uma certa vantagem sobre esse culto. Não estamos enfrentando um inimigo totalmente misterioso”, justificou mentalmente Sabal, quando percebeu que havia demorado muito para descobrir tão pouco.

            – O que você está vendo, Stongest? – Sabal pergunta ao guardião, enquanto esse observa atentamente algo que se encontra fora do túnel, em altura inferior.

            – Um g’upo. T’ês d’ows estão no chão e um está descendo uma co’da, enquanto um og’o mago está espe’ando sua vez pa’a desce’. – responde Stongest quase em sussurros, fazendo com que a clériga tenha que se esforçar para escutar melhor o que o guardião está dizendo, pois o som de uma queda d’água está forte o suficiente para atrapalhar a comunicação.

            – Interessante… Mas o que será que um ogro mago está fazendo com um grupo de drows? – pergunta, intrigada, a ex-clériga Dyrr.

            – Esc’avo. Me’cená’io. Qualque’ uma dessas coisas. Há uma clé’iga de Lolth ent’e eles e um mago. Pelo menos é o que pa’ece. – responde Stongest, sem tirar seu olhar atento do grupo que se encontra ao chão da imensa caverna oval.

            Sabal reflete sobre as informações do guardião enquanto olha para Mirka, que está dormindo, e para Gromsh, que está fixamente atento para o outro lado do túnel.

            – Como é a insígnia deles? – pergunta a clériga em um estalo mental.

            – Como? – pergunta Stongest confuso, mas sem tirar os olhos do grupo.

            – Me descreva a insígnia deles. Assim descobriremos a Casa a qual eles pertencem. – explica ela ao experiente goblin.

            – Deixe-me ve’. – responde Stongest, se concentrando no serviço que Sabal lhe pediu. Aos poucos ele vai desenhando uma runa no chão poeirento próximo a ele, enquanto observa sem parar a insígnia no peito da clériga – Está aqui.

            Sabal se levanta e caminha até o local do desenho.

            – Q’Xorlarrin. – comenta ela aproveitando que estava perto da boca do túnel e observando o grupo parado próximo a um grande lago e um imenso ogro mago descendo uma corda fina se comparada a suas proporções.

            Ela dá alguns passos para trás quando Stongest faz sinal para ela se afastar.

            – O’cs. – comenta ele, mostrando com acenos de cabeça os locais onde se encontram alguns orcs armados com grandes bestas.

            Sabal percebe que os orcs estão concentrados no grupo recém chegado e volta-se ao gnoll.

            – Gromsh, prepare-se. Talvez precisaremos entrar em combate. – avisa a clériga ao seu companheiro.

            – Finalmente. – comenta o gnoll rindo.

            – Depois que estiver mais calma a situação, você descansa um pouco, certo? – pergunta a clériga.

            – Não esquenta, Senhora. Ocê nunca vai encotrá gnoll mais resistente que eu. – responde Gromsh com um meio sorriso em seu rosto, que mostra apenas as pontas de seu canino do lado esquerdo de seu rosto.

            Sabal sorri e vira novamente em direção de Stongest enquanto Gromsh lhe faz uma pergunta:

            – Acorda a Mirka, Senhora?

            – Não. Eu cuidarei dela. Você e Stongest são os mais furtivos, eu iria apenas atrapalhar. Não queremos chamar a atenção. – responde Sabal enquanto faz um sinal de mão negativo ao seu companheiro.

            – Certo. – responde o gnoll.

            A clériga se aproxima novamente do goblin.

            – Stongest, você acha que eles nos viram? – pergunta ela, sussurrando próxima ao ouvido de Stongest.

            – Os o’cs ou o g’upo?

            – Os dois.

            – Os o’cs não. Um dos que está no g’upo lá de baixo foi quem nos obse’vou no início do túnel. Ele pa’ece te’ pe’cebido os o’cs e pe’cebido que há algo aqui. – responde o guardião refletindo sobre o assunto.

            – Entendo. Vamos esperar eles iniciarem um ataque contra os orcs para eliminarmos aqueles que podem vir a nos dar trabalho. – comanda Sabal ao guardião.

            – É o que eu p’etendia. – responde Stongest secamente.

            – Certo. – comenta, sentindo-se um tanto deslocada por ainda não ter se acostumado com a idéia de que um macho goblin tenha mais importância em um suposto culto a Lolth do que ela, uma clériga drow – Falarei com Gromsh.

            Stongest faz um aceno positivo com a cabeça e Sabal, ainda incomodada, inicia a conversa com o gnoll:

            – Gromsh, prepare-se. Quando o grupo que está lá embaixo começar um ataque contra os orcs, ou vice-versa, você se guiará pela indicação de Stongest e atacará o orc que poderia nos atrapalhar mais. – o gnoll a escuta atentamente quando ela dá uma pequena pausa antes de continuar – Será necessário uma grande habilidade em escalada. Você possui, não é Gromsh?

            – Sim, minha Senhora. – responde humildemente o gnoll.

            – Ótimo. Então junte-se ao Stongest. – ordena ela, olhando novamente para Mirka enquanto reflete – Stongest?

            – Diga, Sabal. – pergunta o goblin.

            – Você lembra quando os boatos sobre as fugas de orcs no Braeryn começaram, não é? – questiona a clériga ainda olhando para Mirka, que dorme como uma criança não drow, sem preocupação alguma.

            – Sim, me reco’do. – o goblin responde.

            – Você lembra quais ou qual Casa era comentada nesses boatos? Era a Q’Xorlarrin, não era? – pergunta a clériga.

            – Sim, e a Fey-B’anche. – responde brevemente o guardião.

            Sabal olha para o final do túnel onde estão Stongest e Gromsh, e sorri. Tudo começa a ficar mais interessante e curioso na cabeça da ex-Dyrr. Um culto de orcs à um glabrezu. Um grupo formado por uma clériga de uma das Casas nobres de onde fugiram alguns dos orcs escravos que possivelmente estão envolvidos no culto.

            – A Senhora viu que há algumas teias no túnel onde aquele orc se encontra? – pergunta Gromsh, apontando para um dos túneis no alto à esquerda do deles.

            – Bom sinal. – comenta ela, ainda sorrindo.

            “Espero que os Xorlarrin não demorem a iniciar o espetáculo”, comenta consigo Sabal.

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: